Supermercados adquirem vendas de bares e restaurantes com medidas em São Paulo

A determinação do Governo de São Paulo de colocar todas as cidades na etapa vermelha nos dias 25, 26, 27 de dezembro e em 1, 2 e 3 de janeiro para evitar o agravamento de uma segunda onda do novo coronavírus tende a beneficiar ainda mais os supermercados nesta reta final de 2020 em detrimento aos setores de bares e restaurantes.

Como esses estabelecimentos comerciais comercializam itens essenciais, eles possuem liberação para funcionar nesse período, algo que não ocorre com o segmento alimentício que terá de fechar as portes ou funcionar de maneira parcial em algumas partes do estado.

Antes da entrada em vigor dessa medida, os supermercados do estado de São Paulo já apontavam um crescimento nominal (sem reduzir a inflação) de 8% no movimento do mês de dezembro em comparação a mesma época do ano passado, de acordo com a Associação Paulista de Supermercados (Apas).

Desde o começo da pandemia, em função da condição de serviços essenciais, os supermercados, ao lado de farmácias, tem obtido números relevantes nas vendas em relação a outros setores do varejo.

Supermercados adquirem vendas de restaurantes com medidas em São Paulo
Foto: Governo do Estado de São Paulo

Ronaldo dos Santos, o Presidente da Apas, estima que a área está pronta para dar conta do fluxo ainda superior dos consumidores nesses dias de fim de ano em função das limitações de funcionamento de bares e restaurantes em locais do estado. “Vai ter transferência de vendas para os supermercados, mas não acredito em falta de produtos. Pode ocorrer algo pontual.”

Mesmo com a confiança do representante do setor, um estudo da companhia Neogrid, que acompanha a rede de suprimentos de cerca de 40 mil estabelecimentos comerciais em todo o território comerciais, indicou que em novembro a ausência de cerveja, sobretudo as mais elevadas, chegou a 20%, uma quantidade recorde.

Aglomeração de pessoas nos supermercados de São Paulo

Outro resultado nos supermercados de São Paulo em função da limitação do funcionamento de bares e restaurantes se refere ao risco de aumento de aglomerações nos estabelecimentos.

Antes do governo estadual optar por colocar todas as cidades na etapa vermelha, os levantamentos que analisam o perfil do consumidor já sinalizavam que uma grande parcela dos consumidores tinha a intenção de realizar as compras de alimentos e bebidas alcóolicas somente na última hora para as festividades de fim de ano.

O intenção desse ação popular é obter um desconto considerável no valor dos produtos essenciais, que dispararam nos últimos meses.

O que você achou deste artigo?