Rio de Janeiro tem decreto que muda funcionamento de bares e restaurantes

O governador em exercício do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, estabeleceu novas medidas de prevenção a propagação do novo coronavírus, no estado, em decreto publicado no Diário Oficial. As novas diretrizes afetam o setor culinário.

De acordo com a Agencia Brasil, a medida modifica o funcionamento de bares e restaurantes, que podem seguir com atendimento ao público metade da capacidade de público, até a 1h da madrugada.

No entanto, existe o veto ao consumo de bebidas em espaço externo após as 22 h. Além disso, a música ao vivo e o sistema self-serviço continuam proibidos.

Rio de Janeiro tem decreto que muda funcionamento de bares e restaurantes
Foto: Agencia Brasil

A regra estabelece ainda que “pelas próximas semanas, também não será permitido, aos sábados, domingos e feriados, o estacionamento de veículos particulares na orla do Rio de Janeiro, no trecho entre as praias do Leme, na zona sul ao Pontal, no Recreio dos Bandeirantes, no outro extremo da cidade. Só poderão estacionar os proprietários de carros que moram na região”.

O decreto também mantém a necessidade de uso de máscaras faciais de proteção em todos os ambientes fora de casa: espaços públicos, transportes públicos, estabelecimentos comerciais e repartições públicas estaduais.

Outro ponto mantido é a indicação às prefeituras de retorno gradual de segmentos do comércio e da indústria, conforme as condições de cada município, em horários adequados a fim de não gerar aglomerações.

Por tanto, todas as 92 cidades fluminenses contam com autonomia para estipular novas medidas e ajustes.

Bandeira amarela no estado do Rio de Janeiro

De acordo com o painel de indicadores sobre a pandemia de coronavírus no estado, divulgado no dia 3 de setembro pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à covid-19, entre as nove regiões nas quais o estado está repartido, sete áreas estão dentro do padrão de bandeira amarela. Isso quer dizer que há risco baixo para a propagação da doença.

São elas: Metropolitanas I e II, Médio-Paraíba, Centro-Sul, Baixada Litorânea, Norte e Serrana.

Somadas, essas regiões envolvem 96% da população fluminense e apresentam situação favorável para volta de algumas atividades econômicas de maneira controlada e respeitando os protocolos determinados pelas autoridades de saúde locais e estadual.

O QUE VOCÊ ACHOU DESTE TEXTO?

Por favor insira seu comentário!
Por favor, coloque seu nome aqui